Cleome – Cleome hassleriana

Nome Científico: Cleome hassleriana
Nomes Populares: Cleome, Beijo-fedorento, Mussambê, Mussambê-fedorento, Planta-aranha, Sete-marias
Família: Cleomaceae
Categoria: Arbustos, Arbustos Tropicais, Flores Anuais, Flores Perenes, Plantas Aquáticas, Plantas Palustres
Clima: Equatorial, Mediterrâneo, Subtropical, Temperado, Tropical
Origem: América do Sul
Altura: 0.6 a 1.8 metros
Luminosidade: Sol Pleno
Ciclo de Vida: Perene

Sobre a Cleome

A cleome é uma planta adaptada a qualquer clima presente da América do sul, incluindo todos os seus países de origem como a Argentina e o Paraguai, por exemplo. Há indícios de que ela tenha origem em outros locais como o Uruguai e até mesmo o sudeste do Brasil.

O cleome é um arbusto semi-herbáceo e muito florífero, de ramagem erecta, ramificada e espinhenta, que pode alcançar de 0,6 a 1,5 metros de altura.

Flores

As inflorescências acontecem de forma terminal e costumam desenvolver-se em épocas como a primavera ou o verão. As flores são delicadas e possuem um formato globuloso.

Os seus longos estames contribuem para toda a beleza das flores, mas os tons diversos que podem ocorrer é o que mais impressionam botânicos e paisagistas.

As inflorescências podem aparecer nas seguintes cores: rosa, branca ou creme.

Cleome – Cleome hassleriana

O plantio

A espécie é uma daquelas que adora o sol pleno e a combinação de solo fértil e matéria orgânica aos montes. As terras deverão estar permanentemente húmidas e deverá ser irrigada regularmente.

É facilmente adaptável a terrenos alagadiços e pode ser plantada em volta de lagos e espelhos d’água, embora o seu desenvolvimento não permita este fato.

O cleome presta-se muito bem para a formação de maciços ou grupos, além de bordaduras ao longo muros. Podemos utilizá-lo como planta palustre, pois gosta de muita humidade. Também podemos plantar cleomes em vasos grandes e jardineiras. Ele acrescenta um toque romântico ao jardim.

Por exigir pouca manutenção, muitos optam pela espécie para colocá-la em pequenos quintais. Apenas uma adubação simples e mensal, além das regas constantes, é suficiente para manter este arbusto de pé por um longo tempo, sem precisar se preocupar com pesticidas e outros produtos de cultivo.

Podas regulares

Um aspecto importante e que não pode ser deixado de lado são as podas regulares da Cleome. Elas devem ser podadas regularmente, pois estimulam o adensamento da mesma, além de proporcionar a sua maior compactação ao longo do desenvolvimento.

Assim, com as podas feitas da forma correta, o tamanho e o crescimento da espécie poderão ser devidamente controlados sem maiores problemas até mesmo porque em pequenos quintais ela não deverá espalhar-se muito. Lembre-se que é muito importante podar principalmente os galhos e ramos mais altos.

Assim como a poda constante é importante para a planta, a remoção de flores velhas também será. Esta acção poderá estimular de vez as novas brotações que virão a cada dia, mais resistentes a qualquer clima ou temperatura. Com isso, o período de floração poderá se estender a cada novo ciclo.

Cleome – Cleome hassleriana

Aparecimento de pequenos frutos

Há quem diga que a Cleome possui alguns frutos dependendo da espécie em questão. Na verdade, com o seu desenvolvimento sadio, podem surgir algumas vagens que se dependuram dentre as flores. Esses frutos começam a surgir após a polinização das florações e é possível observá-los na parte inferior das hastes florais.

Mais informação em https://pt.wikipedia.org/wiki/Cleome 

Cleome – Cleome hassleriana
4.6 (92.17%) 23 voto[s]

Copyright Blog Flores. Reprodução permitida desde que indicando o endereço:
https://www.blog-flores.pt/flores-de-exterior/cleome-cleome-hassleriana/?shared=email&msg=fail

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *