Ametista – Plectranthus Saccatus – Família Lamiaceae

Nome Científico: Plectranthus saccatus
Nomes Populares: Ametista, Planta-ametista
Família: Lamiaceae
Categoria: Flores, Flores Perenes
Clima: Mediterrâneo, Subtropical, Tropical
Origem: África, África do Sul
Altura: 40 a 60 centímetros
Luminosidade: Luz Filtrada, Meia Sombra
Ciclo de Vida: Perene

No jardim, a ametista oferece lindos maciços e bordaduras à meia sombra, ou protegida sob a copa de árvores e outras estruturas.

Inflorescências terminais, em racemos erectos de cerca de 15 cm de comprimento, com flores lilases com o tubo prolongado e na abertura manchas roxas, existe também a variedade com flores brancas.

Surgem de Novembro a Maio.

Fica perfeita também em composições com outras flores, em especial plantas com flores brancas, roxas, amarelas ou alaranjadas.

A folhagem arroxeada é valorizada em contraste com espécies de folhas variegadas, como a hortelã-variegada, o liríope ou clorofito.

Pode ser cultivada em vasos e jardineiras, e assim adornar varandas e pátios ou mesmo posições bem iluminadas dentro de casa.

É uma planta perfeita para quem não tem espaço, ou mora em apartamentos, pois elas são de pequeno porte, perenes, aguentam os ventos, e atrai borboletas.

Plectranthus Saccatus

Propagação da Plectranthus saccatus

Multiplica-se por separação da ramagem prostrada já enraizada, em qualquer época do ano.

Como o seu florescimento é intenso, e praticamente o ano todo, é necessário uma boa adubação, especialmente com farinha de ossos e cinzas de madeira.

Muito semelhante à planta-dólar (Plectranthus nummularius), ela é da família Lamiaceae, a mesma família da hortelã e do manjericão.

É tolerante a vento, não perde as folhas e pode ser plantada em varandas por exemplo, já que suporta sol pleno e também meia sombra.

Basta manter regada (quando em vaso), sem excesso para ter uma planta versátil, bonita e duradoura.

Devem ser podadas principalmente quando cultivadas em vasos, as flores devem ser cortadas quando murcharem.

Plectranthus Saccatus

Por ser resistente ao vento, torna-se uma opção interessante para cultivar em apartamentos, enfeitando sacadas e terraços, desde que protegida do sol forte.

Desenvolve-se bem a sol pleno ou meia-sombra, mas com algumas horas diárias de sol, em solo rico em húmus, com boa drenagem e irrigado sempre que a terra estiver seca, mas sem encharcar.

Gosta de locais mais frios.

Como o seu florescimento é intenso, e praticamente o ano todo, é necessário uma boa adubação, especialmente com farinha de ossos e cinzas de madeira.

Deve ser cultivada em solo rico em matéria orgânica e as adubações podem ser realizadas de dois em dois meses. ela gosta de água, podendo rega-la todos os dias, mas o solo nunca pode ficar encharcado.

Fertilização

Aplicar 1 colher de sopa de NPK, na formulação 04-14-08 ao redor do caule, nunca junto a ele, fazer uma incorporação e regar em seguida.

 

Votos: 2 | Pontuação: 5

Partilhar este artigo

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *