Colar de golfinhos – Senecio peregrinus

Nome Científico: Senecio peregrinus
Sinónimos: Curio peregrinus, Curio x peregrinus, Senecio x peregrinus, Dendrophorbium peregrinus
Nomes Populares: Colar de golfinhos, Planta-golfinho, Golfinhos-voadores, Cordão-de-golfinhos
Família: Asteraceae
Categoria: Cactos e Suculentas, Folhagens
Clima: Subtropical, Tropical
Origem: África, África do Sul
Altura: 0.1 a 0.3 metros
Luminosidade: Luz Difusa, Meia Sombra
Ciclo de Vida: Perene

Cada folha suculenta desta planta incrível é uma réplica perfeita de um golfinho.

Dispostas ao longo de caules finos e compridos, em intervalos regulares, estas estruturas assemelham-se a um alegre grupo de golfinhos a saltar sobre as águas.

A Senecio Peregrinus vem de uma polinização cruzada entre a Senecio Rowleyanus (Colar de Pérolas) e Senecio Articulatus, e pode atingir até 15 centímetros de altura.

Em altura o colar de golfinhos não ultrapassa 15 centímetros, mas se for cultivado como planta pendente, os seus ramos podem ultrapassar um metro de comprimento facilmente.

A sua folhagem é muito característica, de cor verde-clara a levemente acinzentada e apresenta-se no formato de golfinhos, suculentos, que actuam como janelas que permitem o máximo de entrada de luz e reduzem o excesso de transpiração ao mesmo tempo, como muitas espécies de suculentas que tem folhas parcialmente transparentes.

Como cultivar Colar de golfinhos

Deve ser cultivado sob meia sombra ou abundante luz filtrada, solo perfeitamente drenável e regas espaçadas.

As condições ideais de luminosidade para a espécie incluem abundante iluminação indirecta o dia todo, com algumas horas de sol directo pela manhã.

O sol quente do meio dia e da tarde provocam queimaduras nas folhas.

Da mesma forma que outras suculentas, o colar-de-golfinhos aprecia que o seu substrato seque entre as regas, mas ele pode conter um pouco mais de matéria orgânica que o comum para suculentas, uma vez que aprecia um pouco mais de humidade.

Mas cuidado, o colar-de-golfinhos é igualmente sensível a encharcamentos e consequente redução na aeração do substrato, que provoca o apodrecimento das raízes e morte da planta.

Durante o inverno, é importante reduzir as regas, mantendo o substrato ligeiramente mais seco.

Não tolera geadas ou frio intenso, e deve ser levado para ambientes internos durante invernos rigorosos.

Colar de golfinhos

As flores do Colar de golfinhos

Apesar de ser raro que o colar de golfinhos floresça, caso seja cultivado dentro de casas e apartamentos, as suas flores são bastante parecidas com aquelas produzidas pelo colar de pérolas, um dos seus progenitores.

Além da coloração branca e da anatomia composta, as flores desta planta exalam um aroma muito parecido com o da canela.

Ainda assim, a suculenta colar de golfinhos é uma excelente opção de planta para ser cultivada em interiores.

Qualquer ambiente no qual o colar de pérolas se desenvolva bem será propício para o colar-de-golfinhos, uma vez que descende dele.

Multiplica-se facilmente por estaquia de segmentos do caule, postos a enraizar no substrato ou em água, ou por mergulhia, prendendo ramos com grampos sobre o substrato para que criem novas raízes em contacto com a terra.

Após o enraizamento dos segmentos, o que pode levar de duas a três semanas, podemos separar as mudas da planta mãe e plantar em local definitivo.

Vaso de plástico ou de barro?

O vaso para o cultivo da suculenta colar-de-golfinhos pode ser de barro ou de plástico.

Contudo, como esta é uma planta que se torna pendente, com o tempo, o mais seguro é optar pelo plástico, que é mais leve e pode ser suspenso com maior facilidade.

Votos: 2 | Pontuação: 3

Partilhar este artigo

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *