Mini costela de adão – Rhaphidophora tetrasperma

Nome Científico: Rhaphidophora tetrasperma
Nomes Populares: Mini costela de adão, Mini monstera, Filodendro "Ginny", Filodendro "Piccolo", Costela de adão miniatura
Família: Araceae
Categoria: Folhagens
Clima: Equatorial, Subtropical, Tropical
Origem: Ásia, Malásia, Oceania, Tailândia
Altura: 0.4 a 2.4 metros
Luminosidade: Luz, Luz Difusa, Meia Sombra
Ciclo de Vida: Perene

Como cultivar a mini Costela de Adão

Deve ser cultivada sob luz difusa, meia sombra ou sombra clara, em substrato rico em matéria orgânica, drenável, arejado e irrigado regularmente.

Mantenha o substrato húmido durante a Primavera e Verão, e reduza gradualmente as regas durante o Outono e Inverno (em clima subtropical a temperado) para evitar o apodrecimento do rizoma.

Aprecia o calor e a humidade tropicais, por isso, em ambiente interno evite colocar a planta em locais com ar condicionado, e borrife diariamente a planta com água, em locais com humidade relativa muito baixa.

Proteja a planta de correntes de ar, que possam ressecá-la.

Replante anualmente ou a cada dois anos, para renovar o substrato e colocar num vaso ligeiramente maior.

Multiplica-se facilmente por estacas dos ramos postas a enraizar em substrato húmido durante o ano todo.

Apesar de sobreviver em condições de pouca luminosidade, obtenha plantas mais sadias e viçosas, se oferecer mais claridade, o que pode incluir o sol matinal, principalmente no inverno.

O seu manuseamento é considerado ainda mais fácil que a Costela de Adão, mas ainda é difícil de encontrar a mini-monstera nas floriculturas, embora a procura seja crescente.

Ela dá um toque “Urban Jungle”, bem tropical e despojada à decoração, o que a torna a hoje em dia a favorita de muitos decoradores e arquitectos.

Como outras espécies do género Araceae, a mini costela de Adão é uma planta muito rústica e resistente a pragas e doenças.

Ela apresenta oxalatos de cálcio nas folhas que a tornam tóxica para os seres humanos e animais domésticos, mas ao mesmo tempo protegem a planta de lagartas, lesmas e uma imensidão de pragas comuns a outras espécies.

Regas: Mantenha o solo sempre húmido, durante a primavera e verão, reduza gradualmente as regas durante o outono e inverno.

É importante não encharcá-lo, para evitar o apodrecimento do rizoma.

Antes de regar, coloque o dedo na terra, se sentir muita humidade, não regue.

Solo: aprecia matéria orgânica e um solo bem drenável. Uma boa mistura de terra vegetal, húmus de minhoca, vermiculita e fibra de coco, deixa esta planta muito bem tratada.

Luminosidade: Não gostam de sol directo, o melhor é colocá-las em áreas de meia-sombra.

Deixe perto de janelas ou até no máximo 3m de distância, onde tenha bastante claridade natural.

Costela de Adão na decoração

Versátil, rústica e contemporânea, a Costela de Adão vai do estilo clássico, minimalista até o mais moderno.

A costela de adão, assim como tantas outras plantas tropicais, combina com o estilo Urban Jungle.

Além de deixar os espaços mais acolhedores, os elementos verdes purificam o ar e contribuem para a melhoria da saúde dos moradores.

Do mesmo modo que a espada-de-são-jorge, ela tem um formato único que conquista quem quer cultivar a sua própria urban jungle (floresta urbana).

Para além de produzir uma gama de folhas recortadas que fazem lembrar uma costela e até mesmo o formato de um coração, a monstera combina com ambientes internos e é fácil de cuidar.

Tendência – Folhagens

A tendência das folhagens começou no verão de 2017/2018 em roupas. As folhagens tomaram conta de vestidos longos, biquínis e saias.

Em especial o desenho da folha da “Costela de Adão” foi definido como a enorme tendência da temporada.

E aos poucos essa tendência foi-se espalhando para a decoração.

Almofadas, assentos de poltronas e bancos, decoração de festas…


E como era de esperar, chegou à cozinha, em objectos muito bonitos e super funcionais.

Votos: 2 | Pontuação: 4

Partilhar este artigo

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *