Orquídea pomba (Peristeria elata) – Família Orchidaceae

Nome Científico: Peristeria elata
Nomes Populares: Orquídea pomba, Orquídea-dove, 
Orquídea-do-espírito-santo, Divino-espírito-santo, 
Flor-do-divino-espírito-santo
Família: Orchidaceae
Categoria: Flores, Orquídeas
Clima: Equatorial, Tropical
Origem: América Central, América do Sul, 
Colômbia, Costa Rica, Equador, Panamá
Altura: 0.9 a 1.8 metros
Luminosidade: Luz Difusa, Meia Sombra
Ciclo de Vida: Perene

Sobre a Orquídea Pomba

A orquídea pomba é nativa de regiões montanhosas da América Central e do noroeste da América do sul, mas principalmente do Panamá, onde é a flor do símbolo nacional.

Ela habita em locais com mais de mil metros de altitude, preferindo áreas de bosque, com substratos ricos, que podem ser troncos velhos de árvores, recobertos de musgos e outras epífitas, ou directamente no nível do solo, mas sempre em locais com abundante matéria orgânica em decomposição.

Peristeria, o nome deste género é uma palavra de origem grega: peristerion, que significa “pequena pomba” ou “pombinha”, em referência ao formato do labelo desta planta, que se assemelha com esta ave.

Orquídea Pomba

Esta orquídea recebe o apelido de Espírito Santo porque a sua floração ocorre normalmente na época de Pentecostes, que é uma das celebrações mais importantes do calendário cristão.

Além disso, as suas flores brancas possuem o formato de um pequeno pombo e, por isso, também é conhecida como Orquídea Pomba.

Deve ser cultivada sob meia sombra, ou luz difusa, sem ter o sol directo nas horas mais quentes do dia.

No inverno, a luz pode aumentar, o que parece favorecer o seu florescimento.

Aprecia humidade ambiental, muito calor e regas frequentes, sem encharcar. Gosta de substratos mistos, entre materiais para epífitas, como esfagno e casca de pinus, e materiais para terrestres, como pedra britada, turfa e areia.

Orquídea pomba (Peristeria elata)

As flores da Orquídea Pomba

Ela apresenta pseudobulbos ovóides, com cerca de 12 centímetros de altura, alongados e com quatro grandes folhas cada, plissadas.

A inflorescência surge na base dos pseudobulbos, com uma longa e forte haste e de 4 a 12 flores.

Com pétalas e sépalas muito semelhantes, carnosas, côncavas e de uma cor branco marfim, elas formam um invólucro perfeito para o labelo, pontilhado de púrpura, que tem um formato muito peculiar, parecendo com uma pequena pomba de asas abertas, o que lhe rendeu os distintos nomes populares, de orquídea pomba e flor-do-espírito-santo, por exemplo.

A orquídea pomba pode demorar de dois a cinco anos para florir e a sua floração dura cerca de trinta dias.

A planta pode atingir um metro e sessenta de altura, e as suas hastes longas podem ter de quatro a doze brotos por vez.

A orquídea branca peristeria é mais um género de orquídea entre as mais de trinta e seis mil espécies de orquídeas catalogadas no mundo e esse número só aumenta.

Cada espécie tem características únicas e, além de serem flores perfeitas para decoração, as orquídeas são companheiras fiéis que proporcionam muita alegria para quem as cultiva!

Actualmente a orquídea é uma flor que que está associada à sexualidade e beleza feminina.

Por este motivo, as populares tatuagens de orquídeas são mais comuns em mulheres. A orquídea pode ter variadíssimos significados, desejo, amor, pureza espiritual , luxúria, perfeição, força, luxo, beleza, etc.

Orquídea na medicina

Relatos antigos descrevem crenças a respeito de propriedades medicinais e místicas das orquídeas.

Para ter poder e vigor, os Astecas ingeriam uma mistura de orquídeas com chocolate.

Na China, pessoas comiam as flores pois acreditavam que estas poderiam curar doenças respiratórias.

Esta orquídea consta na relação de plantas que devem ser protegidas segundo a Convenção de Washington (Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Selvagens Ameaçadas de Extinção).

Dica – Repare na coloração da folhagem. Se estiver escura, mude a orquídea de local. Quanto mais contacto com a luz, mais ela irá florir.

Votos: 1 | Pontuação: 5

Partilhar este artigo

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *