Orquídea Cattleya Walkeriana – Um espectáculo da natureza

Nome Científico: Cattleya walkeriana
Nomes Populares: Cattleya walkeriana Gardner
Família: Orchidaceae
Categoria: Flores, Orquídeas
Clima: Tropical
Origem: América do Sul, Brasil
Altura: 0.1 a 0.3 metros
Luminosidade: Luz Difusa, Meia Sombra
Ciclo de Vida: Perene

Sobre a Orquídea Cattleya Walkeriana

O nome do género é homenagem ao Lorde William Cattley (1788-1835), engenheiro e horticultor inglês, pioneiro no cultivo de orquídeas exóticas na Europa e patrono do botânico John Lindley, que com a ajuda desse, em 1818, descobriram a primeira “Cattleya”.

Foi numa das suas estufas que floriu pela primeira vez naquele continente uma “Cattleya labiata” Lindl., variedade tipo (planta originária do nordeste brasileiro).

A Orquídea Cattleya Walkeriana é de origem brasileira, foi descoberta pelo biólogo George Gardner, mas o seu nome é em homenagem a Edward Walker, que acompanhou o biólogo na sua pesquisa de 2 anos no Brasil.

Ela foi encontrada num galho de árvores às margens de um rio afluente do São Francisco no estado de Minas Gerais, porém também é encontrada nos estados de Goiás, Mato Grosso e São Paulo, em locais próximos de lagos, riacho e rios.

A sua principal característica é o cheiro que se assemelha ao de canela e as suas cores bem vibrantes.

Existem tipos de várias cores como lilás, branca, branca com lilás, dentre outras. As suas flores são maiores que as demais Cattleyas e podem enfeitar a casa entre de Abril e Junho.

Cattleya é um género pertencente à família Orchidaceae, composto por aproximadamente 120 espécies.

Orquídea Cattleya

E não é apenas conhecida como a “rainha das orquídeas”

Por ter o pico de floração no mês de Maio, esta planta também é conhecida em algumas regiões do Brasil como “flor das noivas”, “flor de Maria”, “flor das mães”, “flor do inverno” entre outras.

Trata-se de uma planta magnífica constituída de um robusto rizoma rastejante e com grossas raízes cobertas de tecido velame. ´

Possui pseudobulbos fusiformes, com tamanho que pode chegar a 10cm de comprimento por 3cm de diâmetro. Estes bulbos são lisos, quando novos, tornando-se sulcados (enrugados) com o passar do tempo.

Normalmente são monofoliados, existindo raros casos de bulbos bifoliados.

As folhas tem formato elíptico ou arredondado, são grossas, vigorosas e coriáceas, podendo chegar a 12cm de comprimento.

A inflorescência é estupenda. Curtas hastes florais de 8cm de comprimento brotam da base dos pseudobulbos, suportando normalmente 2 ou 3 flores de diâmetro variando entre 8 e 12cm.

As pétalas são mais largas do que as sépalas e o labelo é trilobado com grande exposição da coluna.

Cultivo da Cattleya walkeriana Gardner

Pode ser cultivada em toco de madeira de casca rugosa, de preferência em madeiras duras (peroba, canela), com ou sem casca, corticeira.

Cultivo fácil em árvores vivas, como dracena, laranjeira, cuitizeira, mulungu e corticeira, entre outras.

Em caixas de madeira, próprias para orquídeas, utilize um substrato composto por partes iguais de casca de pinheiro, carvão vegetal e pedra brita.

Quando cultivada em vaso, deixe uma boa camada de drenagem de pedra brita antes de colocar o substrato, pois não suporta raízes encharcadas.

Os vasos devem ser pequenos e rasos (baixos), comportando assim pouco substrato para rápida drenagem.

As Cattleyas são as plantas mais cultivadas por orquidófilos do mundo inteiro.

 

E existem algumas razões para isto:

  • O tamanho avantajado das flores;
  • As fantásticas combinações de cores das suas flores;
  • O formato arredondado de suas flores;
  • O encantador perfume da maioria das espécies;
  • Facilidade de cultivo.

Vasos indicados para Cattleya walkeriana e formas de rega

Entre os vasos mais usados estão o de barro (com ou sem furos laterais) e a caixa de madeira. Nos dois casos, há uma perda constante de água para o ambiente, muito saudável para a Cattleya, mas que exige cuidados contra o ressecamento e a desidratação.

Para quebrar o ambiente seco dentro de casa, deve colocar o vaso em cima de um prato com água e pedriscos, estrutura que vai ajudar a manter a humidade no substrato sem encharcar as raízes.

Como orquídea costuma morrer por falta de regas – e não por excesso, como muitos pensam –, atente para que todo o substrato receba água.

Uma forma simples de molhar a orquídea Cattleya que está em vaso de barro é mergulhá-la num balde com água e deixá-la durante meia hora, escorrendo em seguida.

Se a planta estiver bem enraizada, em clima quente e seco, repita o processo a cada dois ou três dias. Dependendo das circunstâncias, esse intervalo pode  prolongar-se por mais dias.

Caso a sua orquídea esteja plantada em árvore, borrife-a diariamente.

Copyright Blog Flores. Reprodução permitida desde que indicando o endereço:
https://www.blog-flores.pt/flores-de-interior/orquidea-cattleya-walkeriana-um-espectaculo-da-natureza/

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *